PARTICIPAÇÃO CÍVICA

 

[ Participar ]

 


 

Apadrinhados pela AEP de Ludgero Marques

Barreto e Borges constroem «Nova ambição para Portugal»

 

Reunião com 40 personalidades, dias 28 e 29 no Hotel Carlton, em Lisboa

 

Expresso Online

16 de Junho de 2001

 


 

Depois da fraca participação na Irlanda

Guterres questiona valor dos referendos

 

O primeiro-ministro, António Guterres, está desiludido com o instrumento do referendo como meio de aumentar a participação dos cidadãos nos actos eleitorais. Numa entrevista à TSF, Guterres, que participa, hoje e amanhã, no Conselho Europeu de Gotemburgo, afirma que é "preciso reflectir sobre a redução dos níveis de participação nos actos eleitorais em toda a Europa", depois de perto de 70 por cento dos irlandeses não terem ido votar a ratificação do Tratado de Nice, no último referendo no país.

 

Público Última Hora

15 de Junho de 2001

 


 

Ano Internacional do Voluntariado

Sampaio pede aos portugueses mais participação na sociedade

 

O Presidente da República, Jorge Sampaio, apelou hoje aos portugueses para que "não vivam apenas a sua vidinha" e se dediquem a tarefas de voluntariado em prol da sociedade.

 

Público Última Hora

11 de Junho de 2001

 


 

O país relativo: Intervenção cívica não partidária

 

Notícias Sapo

28 de Março de 2001

 


 

Colóquio sobre "Participação e Cidadania"

 

O Colóquio sobre "Participação e Cidadania", promovido pela Intervenção Radical, realiza-se na Assembleia da República, no dia 29 de Junho, pelas 10.45 horas, no Auditório do Edifício Novo.

 

Boletim Informativo da Assembleia da República, PDF - pág. 26

12 de Junho de 2001

 


 

Educação para a Cidadania Democrática

 

Colóquio Internacional (Conselho da Europa / Min. Educação - DREL)

 

16 de Março de 2000

 


 

CIP quer fusão com AIP e AEP

 

FERRAZ da Costa, presidente da Confederação da Indústria Portuguesa, quer unificar as organizações patronais e critica Rocha de Matos e Ludgero Marques, presidentes da AIP e AEP, acusando-os de constituírem «um empecilho» a uma transformação defendida pela maioria dos empresários. «Não é possível negociar um sistema fiscal mais competitivo para as empresas se houver três ou quatro interlocutores a dizerem coisas diferentes», explica.

Ferraz da Costa considera indispensável extinguir a AIP, a AEP e, até, a CCP que, afirma, não passam de meras «empresas de exposições».

 

Expresso Online

5 de Fevereiro de 2000